domingo, 18 de janeiro de 2015

...a história de um cão, ou dois!!!...

..."quem não se consegue apaixonar por um cachorro qualquer?
Eles são anjos enviados na terra para nos alegrar e nos emocionar"...
http://www.mensagenscomamor.com/frases/frases_de_cachorro.htm
Com as primaveras que suporto nas costas, nunca me tinha acontecido uma história daquelas que realmente mexe comigo.

Desta vez não vou contar num post, mais um, uma simples volta de btt ou fininha. Vou contar o que se passou num simples passeio que nada teve a ver com os do costume.
Saí nesta 5ªfeira desportiva para o mato sózinho, visto ter compromissos às 11 da manhã, na minha terra Natal. Café, no local habitual, e tinha agendado uma volta circular à Lardosa, para chegar cedo.
Nada de especial até aqui. Vale da torre, Zebras, e aqui começa a história deste post. Um cão, rafeiro, aparentemente bem tratado, lustroso, vindo não sei de onde. Ao reparar que era acompanhado por mais dois rafeiros, fiz uma festa ao animal que rapidamente correspondeu com um gesto que só lhe faltou falar.
Sempre fui amante de fotografias, mas como as de hoje, poucas guardo em casa que fazem juz ao velho ditado:
...vale mais uma foto que mil palavras... 
De repente faltou-me um pouco a saliva na boca!!!
 A empatia entre mim e este animal, quiça abandonado ou perdido, levou a brincadeiras sem parar, e que dava a sensação que este rafeiro já me conhecia à muito tempo.
Parecia que me dizia:
...leva-me contigo"...
O afeto foi tão grande, que eu parecia o dono dele.
O olhar carinhoso, as festas, até metia impressão..
Umas fotos de praxe,  com o companheiro deste dia, ficaram algumas registadas, que vou lembrar para toda a minha vida.
O animal, que apelidei de cão, começava a mexer com os meus sentimentos. O animal parecia que entendia o que lhe dizia, faltando-lhe apenas falar...
O que passou na cabeça deste animal para se afeiçoar repentinamente a mim???!!!...
Aos poucos, ia-me apercebendo que o cão não mais largava a minha roda. Ora para a frente, ora para trás, tentei em vão fazer entender ao cão que seria melhor ficar onde estava.
A cada km  que passava, sentia-me incomodado. Triste pensar num cão tão bonito andar por aí...
Novamente Vale da Torre, vindo das Zebras e a minha companhia neste dia, teimava em não me abandonar.
Seriamente comecei a ficar preocupado com o cão, e também com o seu dono!!!
Pensei tudo e mais alguma coisa, até que vezes sem conta parei a minha bicicleta e enxotava-o.
Chega, ralhei eu...
Tens que te ir embora...
Vai-te embora...
Não querendo de modo algum ofender este animal, tentei inclusivé colocá-lo numas vedação ao pé de ovelhas...
Em vão!!!
O animal tudo fez para vir comigo...
Vai-te embora, implorei várias vezes...
Incomodado com esta situação, e receoso do que poderia acontecer a este fiel amigo, fiquei sem saber o que fazer???!!!
A Lardosa aproximava-se, e pelo caminho parei de conversa com um casal amigo da Lardosa, e contei-lhes o que estava a acontecer...
O cão ao meu lado ficou!!!
Solicitei "ajuda" para que o chamassem a ver se ficava com eles na quinta.
Em vão...
Logo que iniciava a marcha de regresso a casa, o cão não me largava...
Até que numa manobra de distracção e cruzamento de caminhos, saltei eu para dentro de uma vedação vizinha e entrei nos meus aposentos por atalhos, sem que fosse possível ao afectuoso cão me seguir...
Uma história que vou recordar para sempre, pois sem saber bem como isto foi possível, este bicho que apelidei de cão entrou dentro dos meus sentimentos pensando eu quem seria a coisa que largou ou abandonou um animal com carinho enorme, quiçá maior que alguns homens têm para dar e receber!!!!
..."queria ter vivido num mundo menos hipócrita, onde a falsidade não sobressaísse, e que as pessoas dissessem o que realmente pensam"...
autor-Adriano Santos
Uma história real, que se passou comigo, numa volta de bike, perfazendo 37 kms na companhia de um animal, que carinhosamente apelidei de...
CÃO.
Aquele de sempre, com mais uma inédita história que irá enriquecer o meu baú...
Pinto Infante

2 comentários:

Jorge Lagarto disse...

Ó Pinto...eu não sei se não o tinha levado! Acho que não tinha coragem para o deixar para trás...tenho pena destes animais abandonados e que são tao carinhosos que mexem conosco.

Abraço!

Pinto Infante disse...

podes mesmo crer que só Deus e eu sabemos o que me custou deixar este cão...mas....
abraço
Pinto Infante