quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

...o que dá roubar...

Deixo este video antes de qualquer post em prol das nossas bicicletas.

gandas ursos...
Espero bem que nunca aconteça a nenhum dos meus leitores...
Pinto Infante

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

...ao largo...

Como prometido no post anterior, esta 2ª feira fui pedalar à moda antiga, ou seja, totalmente à deriva, com temperaturas boas, sem chuva, e com chapinhanços à antiga.
Em principio, tinha pensado a senda do GPS que vou realizar dia 14 de maio de 2017(este ano com muitas novidades), mas depois apenas rocei alguns postais que vou incluir nesse dia.
As temperaturas gélidas para já, acalmaram, e deram lugar à chuva que tanta falta cá faz.
É notório que têm caído chuvas fortes, mas os rapachegos e terras não as acusam muito.
Então vamos lá contar um pouco do que se passou nesta 2ª feira dia 6 de fevereiro:

Saí da Lardosa, pouco passava das 08H30, após ter tomado um saboroso café matinal.
Coisa simples, contente, pois o sol brilhava como não o sentia assim, desde o ninja; Pela sincheira saí.
Cruzei a Nacional 18(parecem as obras de Santa Ingrácia), com ideia de atravessar o monte da Ordinha. Neste local, pertence de figura desaparecida à pouco tempo(o Sr.º Luís grande), já da última vez que lá passei, um susto por razões caninas me levaram a ficar apreensivo.
Hoje, foi provavelmente o maior cagaço por causa dumas M...s duns cães que por ali existem no monte. Ao todo para aí uns sete. Coisa horrível.
Tive que andar com a bicicleta à mão, com um pau na mão, os pastores a chama-los, mas em vão!!!
Assim que me montava em cima da bicicleta, um verdadeiro problema;
Atrapalhado, confesso(estes cães nem os da terra deles conhecem!!!), deixei a bicicleta, e pus-me a correr atrás deles. Pior a ementa que o soneto!!!
Porra; Bem meus amigos, se quiserem um conselho, evitem o monte da ordinha, porque é muito desagradável estas situações...
Finalmente, consegui passar a linha do pouca terra, e como destino, passar ao largo da terra deles, entenda-se a minha terra Natal.
Alcains.
Passei ao largo, e dirigi-me até à estação de caminho ferro, passando ao largo dos Escalos, em primeiro, os de Cima.
Ora se da Lardosa saí com um sol radiante, a aproximação aos de Baixo, os Escalos imperava um nevoeiro esquisito, frio conseguindo esconder até a temperatura excelente que estava à saída.
Aos poucos, passei ao largo dos Escalos de Baixo, subindo em direcção ao largo da Mata.
Não me lembrava de circular por estas bandas.
Com o terreno sem acusar grandes lamaçais, a progressão da bicicleta só aqui ou acolá era difícil.
Muito agradável.
Ao largo da Lousa cheguei.
Trilho GPS aqui.
Com o relógio a andar, degustando a minha sandocha, desci pelos casinhas via areões, canal este também à muito não visitado pela minha montada, aproximava-me da Lardosa.
A subida das casinhas constitui um belo momento de desfrutar da Natureza e mão do homem. Quem por ali passe, é visível uma quantidade enorme de árvores cortadas, eucaliptos e pinheiros. Uma imagem deslumbrante, mas o cheiro agradável a estas árvores é muito bom.
Por estas bandas, cruzei alguns postais da senda do GPS 2017, que em principio vou introduzir dia 14 de maio de 2017, em mais uma"ROTA DOS LAGARTOS"
Esta subida que esbarra nas terras da Lardosa, não me lembrava de a fazer; Boa progressão para quem não andava há uns tempos de bike e por ali.
Nesta 2ª feira, foi a única terra que não passei ao largo.
A Lardosa.
Dali saí, ali cheguei.
Como sempre, e com o objectivo de sempre, sozinho, ou acompanhado a intenção é começar e acabar as minhas voltas e passeios, direitinho, ressalvando para este dia aqueles cães!!!
Uma bela volta, ao largo de terras circulares à terra do feijão, com muitas cores já a darem sinais aos poucos de primavera.
Venha de lá mais destas, pois é com prazer que as realizo.
Aproveito para dar também mais uma triste noticia que aconteceu neste dia 6 de fevereiro de 2017 com uma bicicleta;
Comentários!!!!
Fotos: Beira Baixa TV

O homem de 76 anos acabou por falecer...
Aquele de sempre, sem travões....a subir claro...
Pinto, o Infante

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

...talvez PDI!!!...

Quando reiniciei as lides das bicicletas em Portalegre, decorria o ano de 2004, muito por culpa dos colegas de profissão que me meteram o bichinho no corpo, nem chuva, nem vento nem neve me atrapalhava.
Nesse tempo(pareço um velho a falar!!!), nada metia meto à malta...
Dizia-se que nos antigamentes:
..."em tempo de guerra, não se limpam armas"...
Era mesmo assim;
Na guerra das bicicletas, chuva, vento ou sol, nada nos metia "medo" ou incomodasse para darmos uma por aí!!!
Hoje!!!!
Com o passar dos anos, primaveras vão e as marcas e diferenças vão sendo notáveis aos poucos.
...ah e tal depois molho-me, estrago material da bike, constipo-me....
Enfim!!!
Quanto a mim, antigamente a bike grossa ou fina andava, chovesse ou nevasse...
A semana passada, nem lhe pus o cu em cima...
Esta semana, a sonhar com mais uma 5.ª feira de rodados finos.
Uma chuva abençoada e sempre bem vinda seria a sugestão até para toda a semana. Como a vontade de mexer é muita, calcei as chuteiras de promnade, e pela cidade de Castelo Branco fui fazer uma voltinha desportiva semanal.
Com a chuva fico encolhido, e não apetece, mas com kispo vestido apanhei uma valente molha pelas ruas da cidade.
Saí primeiro pela avenida do Zuhay, em direcção ao passeio pedonal. Aqui ainda não chovia, mas ao chegar ao meio desta avenida, já foste.
Costumo dizer que só se morre uma vez, e quando tiver que ser, que seja no campo de batalha.
Nã. Desta vez já cá estás e acabas a volta que tinhas pensado.
Rotunda do continente, caía água a peso!!!
Tinha delineado a volta completando os habituais 8 kms a correr ou promnade com volta à rotunda da Europa.
Decidi fazer os mesmos kms, mas entrando pela cidade de Castelo Branco dentro registando no meu telemóvel algumas imagens por onde corri, aproveitando para me proteger de certa forma da chuva, mas sempre a andar.
A água em certas alturas era tanta que escorria pelas pernas a baixo, e nem com o esconder das beiradas consegui minimizar a molha.
Ao aproximar-me das 11 da manhã a chuva acalmava, mas nesta altura com a chuva a ultrapassar o kispo, já a quilometragem era agradável para uma manhã desportiva de água QB.
Nem que sejam poucos os kms percorridos, fiquei com a agradável ideia de que é preciso é ir-me mexendo para não deixar enferrujar as dobradiças.
Apesar disto, a PDI vai apoguentando, coisa que antigamente nada, chuva ou neve me fazia frente.
Hoje; Bem hoje as coisas são nestes termos.
2ª feira vai ser dia de pedalada, assim espero, em prol da senda do GPS dia 14 de maio de 2017.
Orientem-se.
Pinto Infante

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

...passar o tempo, com arrepios, e chuva...

Esta 5ª feira desportiva, deixo a arrepiante descida!!!!

Até arrepia...
Pinto Infante

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

...um ninja na cidade...

Dizem que a idade trás mais juízo e maturidade para a vida...
Será???!!!
Para esta 5ª feira desportiva eram esperadas temperaturas preocupantes, e os termómetros com previsões negativas para a beira e para o resto País.
Ora se a idade supostamente trás juízo, não foi para mim nesta 5ª feira desportiva.
Saí da capital do feijão frade, e das pasteleiras com a minha cria mais nova, pelas 8 da manhã.
O termómetro marcava -2º
Com a montada na carrinha até Castelo Branco, o meu colega dos Amarelos(volta da semana passada), mais uma vez, negou-se(ele é que teve juízo).
À 1ª vez ainda altero; mas à 2ª quem estiver vem, quem não estiver, fica.
GPS carregado, e o panike com cacau  quente esperava-me nesta manhã de 5ª feira.
Preparei-me como um ninja. Ao sair de Castelo Branco, os termómetros marcavam -4º ; até arrepiava.

Saí pela zona de laser, e ao chegar ao Jumbo, tive forçosamente parar, para aquecer as pontas dos dedos.
Ponderei voltar para trás, porque quando não se tem prazer na coisa, sofrer nunca.
Posto isto, com muita calma arranquei em direção aos Amarelos.
Apesar do sol ser acolhedor, não haver vento, o frio era muito. Aos poucos circulava, mas não era muito agradável.


Aproveitei para registar o caramelo que não via por aí há uns anos valentes. Em todos os tchabôcôs era notório as camadas de gelo, fazendo lembrar os antigamente quando lá por casa da Mãe os baldes com azeitonas ficavam na rua, e congelavam de noite...
Galgava terreno, e com algumas subidas chegava à serra das Olelas.
É uma zona que permite ter umas vistas muito bonitas para Castelo Branco, e para Vila Velha de Rodão.
Agradável.
Mas o tempo de paragem, neste dia não podia ser muito, pois o frio era aterrador.
Registei alguns postais, e para os Amarelos falta pouco.
Uma discoteca perto do magnífico espaço de divertimento do meu tempo, que agora está ao Deus dará, a "REPRESA", tudo por ali se encontra ao abandono...
Como os tempos mudam!!!
Amarelos.
Azar.
Viesses mais cedo.
Porra para isto; Depois de sofrer tanto com o frio, vir a pensar num cacau quente, chegar aqui e a padaria encontrar-se fechada....
Irra...
Aproveitei para comer a minha sandocha rapidamente, pois o frio secava rápido a minha transpiração, e com isto as gripes podem aparecer.
O trilho que levava no meu orientador de bordo, era agora pelo lado oposto da A23 e IP2.
O vento por este lado, era em muito maior escala. Pelas 11 e pouco da manhã, estava agora mais frio do que à saída.
O ninja vinha congelado e a pensar num banho quentinho.
Cruzei a abandonada Azinheira, e finalmente vislumbrava Castelo Branco.
Ah  se cá catcho!!!
Na rádio Urbana marcava meio dia quando parei a minha companheira, gelado, com muito frio, e com um pensamento na mente:
Tão depressa, com temperaturas destas nem uma nem outra vai sair de casa, e é aqui que a idade tem que me trazer mais juízo...
A fininha, deixo-a de lado em consequência da velocidade não apanhar tanto frio; A grossa, nesta 5ª feira vestiu-se de ninja, mas nem assim me torna a apanhar com estes frios.
Vamos durante algum tempo dedicaras 5ªs feiras às promnades, ou caso apareça um daqueles atrevidos dias de inverno, anda cá se queres.
Pinto, o Infante neste dia de ninja.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

...nas trevas de D. Sebastião com D. Infante...

Dia 12 de janeiro, D. Sebastião apareceu das trevas.
Nesta 5ª feira, das trevas surgiu o D.Infante
Era tão só mais uma manhã desportiva.
Com saída de serviço após banco de 24 horas, tudo tinha preparado para no rodado grosso ir a té aos Amarelos e Olelas.
Como um colega ficou invejoso, e me disse que também queria ir, alterei a volta que tinha em mente, aguardando para outro dia na sua companhia e ir até lá, lugar este que ele nunca foi.
Posto isto, quanto a mim, o frio atrapalha-me um pouco e comuniquei aos meus colegas da fina que iria assim sózinho até aos Escalos e monte Brito.
À saída de Castelo Branco era notório tamanho nevoeiro que se abateu nesta fresca manhã.
Não se enchargava palmo à frente do nariz...
Pelo aeródromo saí com umas surpresas ainda mais frescas.
Molhei logo os pés até ao joelho, num tchabôcô, perto da pista.
Depois, Bem depois foi fazer o resto da volta com os pés a transbordar de água..
D.Infante até ao lance grande foi uma maravilha, mas com um nevoeiro destes, ia-me lembrando do perigo dos meus colegas que foram para a fininha...
Já há alguns tempos não via uma nevoeirada destas por aqui.
Diga-se em bom da verdade, que é tempo destas coisas, chuvas, e frios com fartura, mas estes nevoeiros tornam-se perigosos, ainda que no campo.
Ao chegar ao monte Brito, o simples nevoeiro era agora parecido com a maresia.
Molhava mesmo. O casaco dava mostras de escorrer água.
A intenção de ir até aos Escalos de Baixo, com os pés molhados ia esquecendo, pois fiquei um pouco incomodado e arrepiado.
Resolvi então no monte de São Luís cortar à esquerda em direção a Alcains  pela fonte Maria Rodrigues.
Cruzei as duas estradas que ligam Castelo Branco aos Escalos de Baixo e a outra os de Cima.
Nesta zona, o sol mais teimoso que o nevoeiro, fazia finalmente a sua aparição, tornando a manhã muito agradável.
Passei pela fonte Maria Rodrigues onde algo aconteceu, pois estava cercada por fitas balizadoras!!!
Alcains.
Na minha terra Natal, aproveitei para aquecer a alma com um quente café, e pela quinta dos sobreirinhos liguei a saída para a cidade  através da padroeira de Alcains.
Santa Apolónia.
Nesta bonita zona de laser, decorria um corta mato da escola José Sanches, cheio de jovens que nele participavam.
D Infante seguiu até Castelo Branco, pois o outro D. o D. Sebastião tinha novamente desaparecido para as trevas.
Até à cidade foi rápido, pois a hora já se aproximava do meio dia aproximava-se e da parte da tarde era dia de trabalho.
Uma volta agradável, que deu para desenferrujar após uma noite de banco.
Venha de lá mais, com ou sem D.Sebastião, pois o D.Infante quer é destas.
Termino, adiantando uma noticia confirmada com as juntas de freguesia por onde iremos passar.
ROTA DOS LAGARTOS, PASSEIO BTT ORIENTADO POR GPS, JÁ TEM DATA MARCADA:
14 DE MAIO DE 2017.
ORIENTA-TE
Aquele, o de sempre, hoje saído das trevas:
Pinto, o Infante

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

...afinal de contas, era só mais uma primavera...

Esta 5ª feira foi algo atípica para mim quanto ao desporto.
Decidi trazer a  minha montada grossa pela manhã, mas compromissos inadiáveis surgiram e em consequência disso, houve necessidade de alterar todos os planos desportivos.
Posto isto e com tudo resolvido, fiquei despachado mais cedo do que aquilo que tinha previsto, e pelas 9 e meia da manhã calcei as minhas pantufas de caminhada, e fui pela cidade de castelo Branco fazer a minha promnade matinal.
Não sei porquê sentia algo parecido com saudade ao passar por certos locais que fizeram parte do roteiro.
Esquisito!!!
Saí da Av.ª do Zuhay até ao Continente.
Passei pelo Parkur perto do serviço, e mais esquisito fiquei!!!
Dois amigos passeando os seus cães, com certeza reformados(pelo seu aspecto)...
Veio-me ao pensamento, se um dia será o que me espera???!!!
Assim seja.

Ao ver ao longe o Castelo no alto do monte, decidi conquistar a subida pelo museu Proença Tavares Jr.º.
As imagens que se me deparavam pela frente traziam à minha memória, tempos que já não regressam mais!!!
Já lá vão umas primaveras valentes!!!
Porquê este sentimento hoje???!!!
Na memória, as visitas ao museu nos tempos da escola primária e ciclo preparatório;
Depois, subi pelas escadas que tanta vez subi fosse em visitas guiadas, fosse em passatempos de juventude...
Continua tudo na mesma.
Ficam guardadas as memórias, que nesta 5ª feira me apareceram na alma...
Finalmente o assalto ao castelo chegava.
Na essência da palavra, o castelo era tomado por mim, e pelas memórias esquisitas deste dia.
Que paisagens são possíveis observar do alto do monte.
Do alto, é possivel ver a "nossa" zona em tamanha dimensão...
Ao longe vislumbra-se a aldeia de Monsanto, que neste dia estava algo escondida pelo nevoeiro.
Desfrutei das paisagens através das muralhas e aproveitei para explorar as casinhas por ali existentes, penso que noutros tempos, sede da rádio juventude.
Ai a memória!!!
Sinais dos tempos, se calhar...
Como o tempo "avoa"!!!
Já lá vão uns anos que menino e moço, passeava por estas bandas sem o hotel agora construido, que constitui mais uma valência para a cidade de Castelo Branco.
A hora era de regresso ao serviço, pois só as manhãs constituem autorização de desporto.
Comecei a descida pelo lado oposto ao da subida.
Por incrível que parecesse, mais memórias e lembranças a alma me trazia!!!
Ora, se o castelo se mantém história viva da cidade, esbarrei na piscina municipal, ou melhor era, de Castelo Branco.
Quem te viu, e quem te vê!!!
Que sensação esquisita!!!!???
Tempos que as primaveras apagam, mas na alma as memórias ficam,...
No dia em que morreu uma pessoa a saltar da 2ª prancha do poço de saltos, estava presente na companhia de mais Alcainenses tal como eu desfrutarmos de mais um dia de piscina. 
Foi horrível ver o rapaz saltar e cair fora do poço...
Naquele tempo(pareço um velho a falar), ainda me atrevi em tenra idade a saltar algumas vezes da 1ª prancha; da 2ª nunca!!!!
Era assustador...
São imagens que marcaram um percurso de vida, que permanecem na memória de cada um, mas quanto a mim, ainda me arrepio de sentir que há alguns anos a trás, os meus pés estiveram por aqui ou por acolá.
Tempos que não voltam, e que me vieram à memória nesta minha promnade de 5ª feira...
Perto do meio dia cheguei ao serviço, com a esquisita sensação de início...
Foi uma manhã algo diferente das habituais com uma das minhas bikes, mas alternar bike com promnades, também sabe bem...
Terminei a manhã esquisito, mas de repente, todas estas memórias e sensações esquisitas libertaram-se com os pés bem firmes em 2017, pois conclui que afinal de contas, foi só mais uma primavera para contar!!!!
Aquele, agora sem esquisitices, e sem travões...
Pinto, o Infante
Fotos de telemóvel